31 de março de 2008

Alma de criança

As palavras me completam
Penso, escrevo, leio
Releio, relento

Sou dona da primeira crítica
Esse direito é todo meu
Relembro, receio

Gosto quando a ideia vem
Enxurrada primaveril
Rebentar represa viva
De versos e sentimentos

Primeiro escrevo para mim
Depois, para aquele que ler
Este poema até o fim
E perceber em minha poesia
Alma de criança a dançar

11 de março de 2008

Medo


Vai.
Olha o caminho que te espera.
Percorre resignado a sinuosa via.

Aceita.
Teu passado é teu peso.
E quem disse que fácil seria?

Aproveita.
Sente a harmonia que prospera.
Respira cada instante de alegria.

Luta.
Quem dera saber desde cedo
Que sem medo nada se cria.

10 de março de 2008

5 de março de 2008

Promessa

Amadurecer?
Quem?
Eu? 
Tudo bem.
Prometo tentar.
Mas na medida certa
Que é para não apodrecer.

4 de março de 2008

Entrelinhas

Minhas entrelinhas
são profundas.
Minhas palavras
são o que se vê.

Minhas entrelinhas
não são expostas.
Minhas palavras
querem ser.

Minhas entrelinhas
são só minhas.
Minhas palavras,
de quem quiser ler.