16 de outubro de 2008

Bambos

É no olhar maduro
daquele menino
que se equilibra nas costas
do outro menino
para nos apresentar
o seu malabarismo bambo na sinaleira
que encontro o pior de mim
de nós
toda a hipocrisia de quem chora
sem coragem de encarar a vergonha
de ver a vida que o menino vive
de deparar-se com a realidade 
dura e crespa
pueril e próxima
e não fazer (quase) nada
a não ser retribuir com um sorriso melancólico
(quase) falso
e escrever esses versos bambos
(quase) inúteis
que não se equilibram em nada

Um comentário:

  1. Os "bambos" estão em toda a parte.
    Por que eu ainda não tomei nenhuma iniciativa?
    Débi Bressan.

    ResponderExcluir