22 de abril de 2009

Um resumo

não era para ser assim
mas chegou em minhas mãos um resumo
sem nexo, sem padrão, sem perdão

repleto de rasuras
incompleto, sem cor
fácil de guardar no silêncio do indizível

só resta passar a limpo
esse resumo sem razão de ser
e torcer para que ninguém reclame
porque já joguei fora os originais
e simplesmente não há explicações

16 de abril de 2009

Meu tempo é quando

Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinicius de Moraes

14 de abril de 2009

Vanguart ou meu mais novo vacilo

Segue abaixo uma das letras (dentre tantas que adoro) de uma banda de Cuiabá que já conhecia há algum tempo até, mas só passei a dar a merecida atenção após assistir ao dvd dos caras. E, lógico, me apaixonei. Trata-se de Vanguart: meu mais novo vacilo!


Antes que eu me esqueça

Antes que eu me esqueça da minha cabeça
Escreve teu nome nesse papel
Já faz algum tempo que não somos amigos
E eu quero esquecê-la
Renovar meu abrigo
Mas o tempo é piada
Enquanto eu sou quase nada
E eu só penso em tê-la
Em mim
Antes que eu me esqueça da minha cabeça
E o que resta é tão pouco
Como eu sou pouco contigo
Mas você em mim exagera
E és meu mais novo vacilo
Vou me distrair, vou pestanejar, vou engatilhar
Mas não disparar e ai de você
Se não me entender
Não me faças caso, ou vou me perder
Entre chuva má ou mágoa sem cessar
Como um dia frio longe do mar
E ai de você se não me entender
Eu vou quebrar teus olhos
Você vai se entregar

Helio Flanders