30 de dezembro de 2012

Bergère


"Procurei em volta algum tom de verde semelhante àquele. Não havia nenhum. Folhas que jamais recebem sol, musgo, fundo de garrafa - um pedaço de vidro que achara certa vez na areia, tão verde e polido pelo sal e as águas que era como se tivesse absorvido a cor das profundezas do mar. Era assim, o verde da poltrona." 

do livro Onde Andará Dulce Veiga?
Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário