23 de fevereiro de 2014

banho de cura

meu pai acreditava que todos os anos
se devia fazer uma cura 
de banhos de mar...

Clarice Lispector



eu começo por onde a estrada vai. e a estrada de novo me levou para o mar. o verde e o Rosa. o mar que tem esse poder de cura. e cada vez que piso a areia é reencontro. é ser regado. carregado de luz. renascido. e o meu verde fervilhante se fortalece. espuma prata e sal.

de novo choveu. e molhou. e doeu a chuva que transbordou e mexeu o mar que com seu pranto suplicou mais um mergulho. um último banho de cura.

e eu apenas obedeço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário