19 de julho de 2015

dos que têm fome

eu gosto dos que têm fome dos que morrem de vontade tocava no rádio e eu cantava junto num desespero de identificação pensei no quanto essas palavras têm a ver comigo e com minha alma perturbada desde o dia em que te conheci e pra piorar ontem tu chegaste na minha porta chorando e tive ganas de bater na tua cara e te chamar de filho da puta e te mandar embora quase esqueço que cinco minutos depois estávamos rolando no chão sem tempo nem de tirar a roupa e quase esqueço dos meus joelhos vermelhos hoje pela manhã quando acordei e tu já tinhas saído sumido pra sempre de novo e eu te odeio pra sempre porque tu és assim tão livre tão cheio de vida de fome de vontade tão tudo que eu queria ser e não consigo

e digo pra mim mesma vendo meu reflexo no vidro empoeirado dessa janela aberta de onde ainda procuro teu rastro filho da puta por que fui me apaixonar assim por que é que eu tenho que gostar tão rápido de alguém por que eu não aprendo nunca e me pego fazendo o café da tua marca preferida e este café desce amargo enquanto um mosquito pousa no meu ombro e eu deixo ele me picar porque sei que sou alérgica e ele vai deixar uma marca não o mato porque sei que tem fome e eu gosto dos que têm fome e ainda gosto de ficar observando ele me picar

tenho vontade de pegar o telefone e desesperadamente saber de ti quero dizer que nunca mais apareças na minha frente que aproveites a tua liberdade e que não te comprometas nunca com ninguém porque ninguém merece sentir o que estou sentindo e seguro o telefone olhando o teu nome e decido que nunca mais vou me apaixonar na vida não importa o que aconteça vou fechar meu coração e te odiar pra sempre porque me machucaste quando naquela tarde disseste que me amava e eu queria dizer que nunca te amei que quero que tu evapores de vez da minha vida e vou escrever que nunca mais batas à minha porta porque nunca mais vou abrir e antes de começar a digitar chega uma mensagem esse filho da puta tem coragem de me escrever meu bem tô na padaria vou levar sonho de creme teu preferido faz café e me espera pelada na cama

Nenhum comentário:

Postar um comentário