7 de outubro de 2016

adeus você


tem aquele pedaço do dia quando o sol quer ir embora e a noite vem se acomodando no horizonte. aquele rasgo de céu que não aquece nem ilumina. aquele sussurro de vento a imitar as tuas palavras. não vai ter próxima vez ele disse cirurgicamente como quem extrai um siso que começa a incomodar. como quem calcula fórmulas. como se fosse possível ser racional no (des)amor. ele não soube fazer diferente. e aceito

tem aquele mar de memórias que navegam entre os filmes que (não) vimos as músicas que (não) dançamos a poesia que (não) sentimos. tudo volta num fluxo peito adentro. mergulho em ondas no teu sorriso e aceito a pureza do nosso tempo

tem aquele último fio de luz
antes do anoitecer
hora de dizer (a)deus
agradecer a beleza do amor
transformar a dor em verso
te libertar de mim
deixar ir
e ainda ter pra sempre

tem aquele sol brilhando de novo